Entre o doméstico, o familiar e o gênero: os “Jogos de Armar” no fazer policial como mecanismos para enquadrar narrativas femininas em crimes de violência previstos na Lei Maria da Penha

Palabras clave: Violência Doméstica, Delegacia de Defesa da Mulher, Lei Maria da Penha, Prática Policial, Políticas Públicas

Resumen

A proposta deste artigo foi discutir como as policiais da Delegacia de Defesa da
Mulher de Campinas (DDM), Brasil, tecem fios de sentidos sobre emoções, experiências e práticas para enquadrar narrativas femininas como crimes previstos pela Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340, de 07 de agosto de 2006). O intuito foi, ao observar esse movimento de tecedura, refletir sobre os mecanismos discursivos de produção de noções de violência doméstica como crime, a partir de um “Jogo de Armar”, buscando iluminar a porosidade e a complexidade presentes na prática policial. Pretendeu-se apresentar as ambivalências da constituição das noções de violência doméstica na apreensão policial e discutir seus rendimentos para políticas públicas de enfrentamento da violência doméstica e familiar contra a mulher.

Publicado
2021-03-22
Cómo citar
Andrade, F. (2021). Entre o doméstico, o familiar e o gênero: os “Jogos de Armar” no fazer policial como mecanismos para enquadrar narrativas femininas em crimes de violência previstos na Lei Maria da Penha. IBEROAMERICANA. América Latina - España - Portugal, 21(76), 51–71. https://doi.org/10.18441/ibam.21.2021.76.51-71
Sección
Dossier