“Remanescentes das Comunidades dos Quilombos”: memória do cativeiro, patrimônio cultural e direito à reparação

Hebe Mattos, Martha Abreu

Resumen


A constituição brasileira de 1988 abriu caminho para o desenvolvimento de políticas de reparação em relação à escravidão africana no Brasil. Dentre elas, destacam-se a possibilidade de titulação coletiva de terras a comunidades negras tradicionais reconhecidas como “remanescentes de quilombos” ao reconhecimento oficial de patrimônios imateriais relativos à herança de populações escravizadas. O “Jongo do Sudeste”, manifestação de canto, dança e percussão cuja origem é atribuída aos africanos escravizados das antigas áreas cafeeiras do sudeste do Brasil foi reconhecido como patrimônio cultural brasileiro em 2005. Este artigo aborda historicamente a construção desses novos marcos legais e seu impacto na produção de novos atores políticos coletivos a partir da valorização da identidade negra e da memória de antepassados cativos. Para tanto, analisa especialmente o processo de identificação como remanescente de quilombo de três comunidades negras do estado do Rio de Janeiro, com base em pesquisa desenvolvida durante nossa participação como especialistas na construção dos relatórios técnicos que subsidiaram os procedimentos legais da titulação de suas terras pelo poder público.

Palabras clave


Comunidades dos Quilombos; Memória; Cativeiro; Patrimônio cultural; Brasil; Séculos XX-XXI

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))


DOI: http://dx.doi.org/10.18441/ibam.11.2011.42.145-158

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


IBEROAMERICANA. América Latina - España - Portugal

ISSN (print): 1577-3388
ISSN (online): 2255-520X
DOI: 10.18441/ibam

URL: http://journals.iai.spk-berlin.de/index.php/iberoamericana/index

Contacto: iberoamericana@iai.spk-berlin.de

 

Licencia Creative Commons

Esta obra está bajo la licencia de Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International.

 

© 2014 | IAI SPK
Ibero-Amerikanisches Institut PK